domingo, 15 de abril de 2007

Os malefícios do ateísmo cor-de-rosa

Na chamada imprensa escrita proliferam as publicações dedicadas à escandaleira, à fofoca e à má-língua. De uma forma geral, essas publicações são isentas de conteúdo interessante e sobrevivem graças à misteriosa curiosidade da populaça pelas vidas (des)interessantes das figuras mais ou menos públicas.

Quem estiver realmente interessado em aprender algo sobre determinada matéria ou em ler um ensaio sobre qualquer tema do seu interesse basta olhar para as capas das referidas publicações para saber quais são aquelas a evitar.

Lamentavelmente, muito do que é escrito em sites e blogues cujo tema central é o ateísmo utiliza exactamente as mesmas técnicas da imprensa cor-de-rosa: escandaleira, fofoca e má-língua! E isto - pasme-se - é verdade tanto a nível nacional como a nível internacional. Os padres pedófilos, os bispos gays, etc…

Considero que a mensagem do ateísmo, a divulgação de um pensamento humanista, racional e naturalista, para ser eficiente, não deve seguir o caminho fácil de expor constantemente as contradições das religiões ou a hipocrisia dos seus representantes ao ridículo. Se bem que todas essas contradições e hipocrisias sejam reais, utilizá-las como principal argumento parece-me inconsequente e resultam num esforço inglório.

Entendo o ateísmo como uma ausência total de fé ou crença em qualquer tipo de poderes sobrenaturais; não o encaro como uma necessidade de explorar as contradições ou hipocrisias de qualquer tipo de organização baseada na fé ou na crença de qualquer tipo de poderes sobrenaturais. A meu ver, qualquer religião organizada tem sempre a sua estrutura baseada nalgum tipo de fé ou crença. Desmistificar essas bases será muito mais eficiente do que a exposição ao ridículo de partes da estrutura que ecoará sempre como um slogan propagandista aos ouvidos de qualquer crente que se digne.

Essa desmistificação só poderá ser conseguida através do estímulo ao raciocínio, da divulgação da ciência e da promoção de uma visão naturalista do mundo. Tudo o resto é infrutífero e poderá ter, precisamente, o resultado contrário ao desejado.

Helder Sanches

Penso, logo, sou ateu

Um comentário:

fabio aranha disse...

ilustre amigo Helder Sanches,
dando uma vasculhada pela internet descobri por curiosidade o seu bem estruturado e elaborado texto; que diga-se de passagem, foi um dos mais sensatos que já li. concordo com vc. que devemos insentivar as pessoas ao raciocinio e é exatamente o que faço em meu livro: concepção do entendimento das coisas(um convite ao raciocinio)que espero está lançando em breve...sou de manaus, amazonas, não tenho certeza se vais ler meu recado, mas desde já fico honrado em conhecer alguém tão visionário(aparentemente)como você...sinta o meu sincero abraço! e até mais...do amigo...FÁBIO ARANHA.