quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Jean Meslier , o padre ateu

Jean Meslier (1664-1729), um vigário de aldeia que escreveu, por volta de 1720, uma obra radical, na qual preconiza a união dos oprimidos em torno do estrangulamento do último rei com as tripas do último padre. Sustentava o deicídio, o tiranicídio e o comunismo como as bases de um novo mundo.

Em linhas gerais, Jean Meslier foi um vigário de aldeia que viveu no norte da França entre os anos de 1664 e 1729. Ele foi autor de uma obra contundente e radical por meio da qual expressou toda a sua indignação contra a opressão e as injustiças sociais cometidas contra os camponeses durante o reinado de Luís XIV. A solução por ele proposta para tais mazelas encontramos no seu manuscrito intitulado Memória dos pensamentos e dos sentimentos de Jean Meslier, concluído em 1720, e nas Cartas aos curas, provavelmente redigidas na mesma época. E consiste no ideal de uma sociedade fundamentada no ateísmo e na propriedade coletiva da terra. Porém, para realizá-lo, Meslier preconiza, muito antes dos jacobinos, dos anarquistas e dos bolcheviques, a união de todos os explorados e oprimidos em torno do estrangulamento do último rei com as tripas do último padre.

Do ponto de vista metafísico, Meslier nega categoricamente o dogma da criação do universo, por conseguinte, as idéias de divindade, transcendência e de providência ordenadora da natureza. Seu ateísmo, portanto, é inequívoco. Os deuses, sem exceção, inclusive o deus judaico-cristão, são por ele definidos como falsidades, como fábulas absurdas. Os profetas e os santos são julgados charlatães, e os milagres, por sua vez, aparecem como farsas, isto é, como um produto da falta de escrúpulos dos que as sustentam combinada com a ignorância e com medo dos humildes que a elas dão assentimento. Com a mesma veemência, Meslier argumenta a favor do seu materialismo, que é radical.

No seu entender, tudo o que existe é material, ou seja, só há matéria no universo, apenas uma única substância na natureza. E substância para ele é toda realidade corporal. A matéria é a realidade, é o Ser propriamente dito. E como Ser, a matéria é a causa de si mesma e de tudo o que é. A idéia da existência de uma outra substância além da matéria, uma substância imaterial e imortal, é refutada como fantasiosa.

Além de ateu e materialista, Meslier também teceu duras críticas à religião. E não apenas à religião cristã, mais especificamente a católica, mas à religião em si mesma. Um século antes de Nietzsche e algumas décadas antes do surgimento estrondoso do marquês de Sade, esse padre provinciano proferiu uma das maiores diatribes já proferidas contra o cristianismo, em particular contra a figura de Jesus Cristo, que é definido por ele como louco, fanático, ignorante e charlatão, como um indivíduo astuto que se aproveitou da credulidade e do desespero de pessoas ignorantes para estabelecer o seu império.

Do ponto de vista político e ideológico, a posição de Meslier destoa significativamente da dos demais ilustrados. Ele considerava a religião a princípio como um artifício humano; porém, como um nefasto expediente dos espertalhões, aliás, como um eficiente instrumento de dominação utilizado pelos reis, sacerdotes e demais parasitas para submeterem e manipularem os povos imersos na miséria e debilitados pelo sofrimento.

No entanto, a despeito da retórica inflamada e das idéias revolucionárias dos seus sermões materialistas, o padre ateu foi em vida mais um revoltado, mais um indivíduo indignado com as injustiças sociais do que efetivamente um homem de ação engajado na realização dos seus ideais. Convém ressaltar que Meslier manteve o seu ateísmo e o seu ideário libertário no mais absoluto sigilo durante toda a sua existência, e que as suas convicções e os seus escritos apenas vieram à tona postumamente, causando um retumbante escândalo.

Trechos de Ateísmo e comunismo: o lugar de Jean Meslier na filosofia política das Luzes de Paulo Jonas de Lima Piva

10 comentários:

Catellius disse...

Grande Adriano,

Estou com um novo post: Divagação Erudita, sobre a legião de demônios que possuiu os 2000 porcos autorizada por Jesus.

Um grande abraço!

Catellius disse...

Grande Adriano,

O meu blog, o Pugnacitas, completa hoje seu primeiro ano.
Clique aqui para ler o Post onde faço uma pequena avaliação do período.

E visite nosso fórum de novembro: Jesus também salvou os neandertais?

Um grande abraço!
Catellius

Ricardo Wagner Alves Borges disse...

Texto e blogue necessários!
Vou indicá-los aos pares.

Abrasss.


RW.

Ernani Ribeiro disse...

Unamuno se inspirtou em Meslier para escrever San Manuel Bueno Martir? Sou ateu "praticante" sempre que possivel procuro defender o ateismo e o materialismo. Só tenho uma duvida: sociedades baseadas na igualdade,etc são possiveis aos seres humanos? Robespierre, Crownwell, Mao e outros nao provam que no final mudam so os opressores, mesmo nas revoluçoes "bem intencionadas"?

Ernani Ribeiro disse...

Estou lendo o Piva (Ateísmo e Revolta), sou ateu convicto e "praticante". Existe dentro de mim a questão que nao se cala: propostas utópicas como a Meslier não tem um ponto fraco: é possivel estabelecer uma sociedade ideal, justa, igualitária, etc... com seres humanos? A vontade de potencia (poder) nao acaba atrapalhando tudo e fazendo com que os líderes revolucionarios (bem intencionados) nao sempre como Robespierre, Cronwell transformando-se em despotas e fazendo o "eterno retorno do mesmo"? Quanto ao ateismo de Jean Meslier e de se notar ter ficado em segredo. Leia-se Unamuno - a novela -

Josi disse...

Excelente blog.

morgana disse...

Já li esse livro, Atreismo e Revolta, adorei, os argumentos do padre são fortes e consistentes. incrível.

Edilson Palhares disse...

Fascinante este texto! Parabéns pela sua publicação. Fiquei menos inculto hoje!

Geraldo disse...

Estou atrás desse livro (do Piva) que não tenho encontrado em livrarias aqui na minha cidade...
Bem, há alternativas que ainda vou explorar nesse sentido...
Quanto ao aspecto do comunismo presente em Meslier, entendo que não se pode confunfir as coisas (comunismo e ateísmo), e me considero exemplo disso porque sou um democrata ultra radical e um ateu convicto...rs
O livro me interessa pelo seu conjunto e pelo estudo das idéias de alguem que podemos considerar como sendo o 1º ateu que assim se identificou, na história da filosofia.
É, pouca gente deu a cara a tapa..rsr

Kaneda Akira disse...

Impossível. Na época não existia a ideia do comunismo. Esse texto é mentiroso.