sexta-feira, 27 de julho de 2007

Dawkins e Hitchens guiam ateístas

Biólogo norte-americano e polemista ensaísta britânico levam argumentos ceticistas a extremos e viram best-sellers. Para Marcelo Gleiser, "novos ateístas" não representam comunidade científica e colecionam inimigos pela arrogância

"Graças ao telescópio e ao microscópio, a religião não oferece mais explicações para nada importante", diz Christopher Hitchens em "God Is Not Great".

O polemista britânico, conhecido agitador político de direita, conhece hoje, por conta de suas provocações à religião, um sucesso nunca antes alcançado por seus mais de 20 livros e inúmeros ensaios publicados em jornais e revistas.

Apenas uma semana após o lançamento, no Reino Unido, Hitchens já havia vendido 4.000 cópias do livro. Seis semanas depois, ele estava em sua sétima impressão e desembarcava nos EUA com loas da crítica e curiosidade geral.

"Eu já tinha criticado o uso nocivo da religião quando escrevi o livro sobre Madre Teresa de Calcutá", disse Hitchens à Folha. "Agora, faço um ataque geral à religião, pois ela é uma má influência."

O argumento principal de "God Is Not Great" é que a religião serviu ao homem como explicação do mundo quando a ciência não existia. Depois disso, não só teria se tornado inútil como passado a ser um entrave para o conhecimento.

Com ironia e pegadinhas retóricas, Hitchens lança desafios: "Se Deus é o criador de todas as coisas, por que devemos celebrá-lo incessantemente por fazer algo que para ele é tão natural?".

Também acusa tanto o islamismo como o cristianismo de impedirem que avanços da ciência ajudem a sanar feridas do Terceiro Mundo.

Os extremistas islâmicos, por resistir a receber ajuda dos países ricos, achando que a medicina ocidental faz parte do projeto de dominação capitalista dos EUA, e a Igreja Católica, ao condenar milhões à morte por ser contra o aborto e o uso da camisinha, baseada em dogmas irracionais.

O ensaísta se refere ao papa Bento 16 como "reacionário medíocre".

Hitchens pega carona no sucesso de Richard Dawkins, cujo "Deus, um Delírio", que chega aqui em agosto, vendeu meio milhão de exemplares nos EUA e mais de 300 mil no Reino Unido.

Biólogo especializado na teoria da evolução, Dawkins diz que a intenção de seu livro é convencer as pessoas de que devem libertar-se totalmente desse "vício" que é a religião e acrescenta que Deus é homofóbico, racista, genocida, entre outros atributos nada afáveis.

Para o biólogo, Deus não poderia ser uma divindade, pois um ser tão complexo e superior ao homem só poderia ter surgido bem depois deste, como conseqüência da evolução, e não antes de todas as coisas, contrariando a teoria de Charles Darwin (1809-1882).

Em "Quebrando o Encanto", o filósofo norte-americano Daniel Dennett faz uso do darwinismo para analisar a religião como produto da evolução humana, e não como força de raízes sobrenaturais.

Em entrevista à “Folha de SP”, Dennett disse que espera que as pessoas aprendam a discutir e a investigar a religião de um modo mais natural e científico – e está otimista.

"É preciso que deixemos de evitar tópicos que podem ofender os devotos. E acho que cada vez mais há pessoas religiosas que querem discutir suas crenças com céticos e cientistas."

Dennett defende uma revolução no modo como se estuda religião aos moldes da que Alfred Kinsey (1895-1956) provocou com relação ao sexo nos anos 40.

No Brasil

As prateleiras das livrarias brasileiras já estão cheias de recentes títulos ateístas.

O best-seller do filósofo francês Michel Onfray, "Tratado de Ateologia", acaba de sair pela Martins Fontes, enquanto "O Livro Negro do Cristianismo – Dois Mil Anos de Crimes em Nome de Deus", de Jacopo Fo, Sergio Tomat e Laura Malucelli, chega agora pela Ediouro.

Plínio Junqueira Smith, doutor em filosofia pela USP, participa de um grupo de discussões sobre o ceticismo, formado na Unicamp.

"Nossa preocupação é tentar compreender a história do ceticismo e fazer a reflexão sistemática sobre questões céticas atuais", disse.

Smith organizou "Ensaios sobre Ceticismo", coleção de artigos sobre o tema, e fez o prefácio de "Ateísmo e Revolta", de Paulo Jonas de Lima Piva, uma análise do pensamento do padre ateu Jean Meslier, que viveu no século 17.

Ambos os livros saem agora pela editora Alameda.

Confusão

Para o colunista da “Folha de SP” Marcelo Gleiser, o grupo de "novos ateístas" está causando uma "grande confusão". "Estão exacerbando as já arraigadas posições anticientíficas dos mais religiosos e criando novos inimigos devido à arrogância."

Gleiser, professor de Física Teórica no Dartmouth College (EUA), acha perigoso que eles sejam vistos como porta-vozes da comunidade científica.

"Não é verdade. Do ponto de vista da ciência, a posição de ateu radical não faz sentido. Para se afirmar que Deus não existe, é necessário supor que detemos a totalidade do conhecimento, algo que é inatingível pelo fato de a ciência ser uma criação humana e limitada."

Para ele, o máximo que cientistas podem dizer é que "a existência de um Deus judaico-cristão é contrária ao que conhecemos do mundo".

Por outro lado, "não podemos afirmar que a informação atual da ausência de uma divindade é definitiva pois não temos informação sobre tudo. A única posição consistente com a ciência é o agnosticismo ou, no máximo, um ateísmo liberal, pronto a aceitar evidência em contrário, caso ela ocorra". (Sylvia Colombo e Marcos Strecker)
(Folha de SP, 21/7)

Jornal da Ciência

Sou contra a idéia do texto pois não considero exagero nos neo-ateus como exagerada, pois Marcelo Gleiser não pode representar a comunidade científica com suas idéias agnósticas. Também não concordo com o entendimento dele de ciência. Mas enfim é a divulgação do ateísmo e a possibilidade de debate sobre o tema, a busca do diálogo.

16 comentários:

Giuseppe disse...

O importante é que finalmente se pode falar sobre este assunto: Deus existe ou não existe ?

Depois de ler God Delusion , eu também me convenci a sair do armario, e a abandonar a posição de agnostico" em cima do muro".

É preciso que os ateus falem sobre suas ideias sem temor de ser inconvenientes, sem medo de ofender os crentes.

Li uma materia que estima em 700 milhões os ateus(10% da humanidade): somos portanto a terceira "crença".
Temos que mostrar a nossa verdade.

Esta questão de logica e semantica de não poderse provar a inexistencia de deus é uma verdade lapalissiana:
não se poder provar a inexistencia de deus, de discos voadores e de unicornios.
Somente se pode provar a inexistencia de triangulos de quatro lados e similares contradições.
Portanto o ateu não prova a inexistencia de deus, o ateu acredita na inexistencia de deus.

Anderson disse...

Admiro seu blog sobre filosofia, gostaria que entrasse no meu:

http://conhecimentopensativo.blogspot.com/

mas antes, gostaria de saber primeiramente se poderiamos criar um blog sobre filosofia juntos, ou se você pegasse um tema a qual você escreveria sobre ele no seu blog, e eu no meu para que tirassemos dúvidas. Caso não queira...

Adriano disse...

giuseppe

Realmente, essa possibilidade de abordar o tema, de oder declarar o atéismo é muito boa. Dawkins tem um ótimo desempenho da na divulgação da ciência e o ateísmo é muito útil nisso.

A questão da semantica e da lógica é abordada na filosofia analítica, iniciada com Bertrand Russel, outro grande filósofo ateu, em seu livro a Filosofia da matemática. Mas é algo bem complexo e ao mesmo tempo fascinante.

anderson

Vou ler com calma o seu blog, e adoro filosofia, então podemos sim discutir muitas idéis, muitos temas.

InNomine disse...

Interessante!
Sou mais favorável ao agnosticismo, mas ... isso não vem ao caso.
Continue assim, divulgando!
Parabéns pelo seu blog.

Carpe diem!!
Pierre

No Caminho do desrotular disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sobre o ombro de gigantes disse...

Ola,


Tenho a satisfação de encontrar um blog bem organizado e com bons textos produzidos por você. Meus parabéns.

Sou médico e tenho 42 anos e só recentemente percebi que meu pensamento se organiza de modo laico. Ocorreu de forma natural e com muita maturidade após algumas experiências religiosas.

Nessas experiências, pude conhecer um pouco de determinadas doutrinas e dogmas, mas nenhuma experiência transcendental.

Procurei em minha busca algo que respondesse-me meus anseios e duvidas, diante de uma profissão com sérias demandas humanas. Não encontrei.

A todo o momento, se funcionava as respostas científicas, cada vez afastava-me da necessidade de algo metafísico. A vida é realmente dura. Todos vão morrer um dia, de doenças, de tragédias ou de qualquer motivo natural. E tudo felizmente termina. Para nos e para aqueles que amamos.

Resta-nos uma vida. Para tanto precisamos ter o pensamento livre de tal forma a buscar o conhecimento, crescer e amadurecer de diante de nossa breve e mínima contribuição para a humanidade.

Sou feliz e realista desse modo.

Um abraço,

Luiz

gerald disse...

M. Gleiser disse:

Do ponto de vista da ciência, a posição de ateu radical não faz sentido. Para se afirmar que Deus não existe, é necessário supor que detemos a totalidade do conhecimento, algo que é inatingível pelo fato de a ciência ser uma criação humana e limitada."

Penso que o texto, afinal, afirma a existência de deus, bastando apenas que se tenha a totalidade do conhecimento humano.Entretanto, foi exatamento a falta de conhecimento que levou a humanidade a inventar os deuses.

thiagu_evil disse...

O legal é que o Giuseppe disse que "o ateu não prova a inexistencia de deus, o ateu acredita na inexistencia de deus"
o que daria no mesmo se algum crente dissesse "o religioso não prova a existência de Deus, ele acredita na existência de Deus."

Que coerência...isso é ser ateu?

eli disse...

"Existem mais coisas entre o seu e a terra do que nossa va filosofia"
Qual e' a importancia de ser ateu ou nao?
Ser ateu fara que o Mundo seje melhor?!
Para que gastarmos energia em vao....
Somos ainda ignorantes perante o todo seja ele o nome que queiras dar, ciencia, natureza , Deus etc e tal..
O fato de ser ateu ja' se faz um ato religioso , provar a nao existencia de Deus!!!
Ai se da' o outro extremo, a outra face da moeda, a forca oposta e contraria que em muitos casos se torna radicalizmo, de ambos os lados.
O importante e' vivermos o presente porque cientificamente o fato de estarmos aqui agora ja' e' um presente o resto e' ficcao como futuro,no qual em algum espaco de tempo estaremos todos mortos...

Andre disse...

Vídeozinhos interessantes de Dennet e Hitchens, entre outros polemistas ateus sendo humilhados pelo Dinesh de Sousa.

http://www.youtube.com/user/tothesource1

Aristides de Albuquerque disse...

Os filha da puta vivem arrumando desculpa
E motivos pra te pegar te usar e depois te desprezar
Te tomam tudo, a vida, a grana e a alma
E ainda querem que você tenha calma
Por isso eu vou falar (pode falar)
Vou contar (pode contar)
Sobre os filha da puta que só querem te roubar
Fundam uma igreja ora veja onde já se viu
Enriquecer com a fé alheia (puta-que-pariu)
E é inútil tentarmos abrir os olhos do povo
Pois se um abre os olhos mil olhos fecham de novo
E eles dizem que você está com o demônio
Mas o demônio habita no seu patrimônio
E eles farão o "favor" de tomar toda sua grana
Porque a grana pra eles é uma coisa profana
Só que aí o demônio vai parar com quem?
No bolso do filha da puta que fica rico dizendo amém

Filha da puta filha da puta filha da puta

Pandora disse...

Concordo com você, acho que ficar dentro do armário não resolve nada, para podermos debater um assunto ele precisa provocar essa necessidade do debate, alias eu montei um blog para discutir entre outras coisas esse assunto, o nome dele é vitrola de platão endereço, http://vitroladeplatao.blogspot.com/ posso incluir seu blog como link no meu?

gilson disse...

sou ateu, mas acho que o que nós vemos hoje no nundo é reflexo da fraqueza humana, por acreditar em deus ou deuses e que vão ganhar em troca o paraiso sem nenhum questionamento lógico e racional, pra que a religião se nós nascemos em ela, se nós fomos levados a acreditar por causa de nossos antepassados, a religião só até agora um atraso enorme as descobertas cientifícas, impedindo a evolução natural de tudo que habita o planeta!

Oiced Mocam disse...

A descoberta de que existem muitos que comungam das mesmas idéias me de força para pesquisar sobre as Religiões do Mundo.
Compilei tudo e coloquei minhas idéias, pesquisas e observações em 75 Capítulos que finalizei em 600 páginas.
Se tornou um Livro interessante o qual está pronto e agora necessito de colaboradores que possam me indicar uma Editora, a quem enviar os originais para publicação.

Um Tríplice e Fraternal Abraço a todos

Oiced Mocam

Adauto Gonçalves disse...

Gostei bastante do que li, mas me decepcionei com as observações frouxas e pobres de Marcelo Gleiser. Os deuses existem, mas como criações humanas. Mas quanto ao deus dos cristãos, que é descrito na bíblia, como onisciente, onipotente, onipresente, presciente, etc., não passa de um ser doentio, psicopata, assassino, cruel, ditador, mentiroso e chantagista. Se algum cristão disser que seu deus não é como o da bíblia, então estará criando um novo deus. O deus descrito na bíblia foi criado por seres humanos de saude bastante debilitada, pois somente mentes doentias, criminosas, poderia criar um ser assim. Eu sugiro que o professor Marcelo Gleiser leia a biblia dos cristãos, para poder fazer observações mais perspicazes.

José Marcelo disse...

QUE BELEZA GENTE, PODEM VER MENINO NASCE COM 15 DEDOS, É A EVOLUÇÃO, A EVOLUÇÃO MOSTRANDO SUA CARA.

TENHA DÓ TEORIA DA INVOLUÇÃO